A semana do autoconhecimento

vipassana

O ano de 2016 foi, para mim, um ano repleto de indecisões. Récem-formada e sem saber por onde caminhar, me senti bastante confusa ao longo desses meses. Algumas vezes, desestimulada, me acomodei; outras, confiante, busquei desenfreadamente possibilidades de realização profissional. Não percebia, no entanto, que o que me faltava era o equilíbrio.

Devido ao estresse e ao desgaste emocional, como era de se esperar, ao final do ano comecei a me sentir cansada e desmotivada constantemente, até que percebi que estava entregando os pontos. Mas, internamente, eu sabia que abandonar as minhas expectativas não era o meu caminho e muito menos aonde eu gostaria de chegar.

Finalmente, decidi dar um basta nessa forma de encarar a situação. Aceitei que vivia um momento difícil, de muitas indecisões e questionamentos, e me mantive confiante de que me permitir viver essa fase era o que me impulsionaria a sair dessa aura de tristeza que me rondava e não me permitia estar em paz. Respeitei o meu momento e compreendi verdadeiramente o seu valor para o meu amadurecimento.

Quando comecei a me sentir melhor e a dar os primeiros passos, deixando para trás aquela onda de desanimo e pessimismo, me veio à cabeça, como um insight, que o que eu mais precisava era de um tempo para mim. Apesar de ter tido muitos momentos sozinha, em nenhum deles eu estive comigo mesma, apreciando a minha própria companhia, aberta a me ouvir e tentar me compreender.

Determinei o prazo de uma semana para que houvesse essa conexão interior e espiritual para me auxiliar a responder as inúmeras perguntas que rondavam a minha mente, sem qualquer cobrança, preocupação ou julgamento.

Essa foi a melhor decisão que eu poderia tomar. Talvez eu nunca tenha vivido uma experiência espiritual tão rica e significante.

A minha rotina espiritual nessa semana se compôs, basicamente, de dois momentos: no primeiro, logo ao acordar, me dedicava a prática de dez minutos de yoga e dez minutos de meditação. Esse tempo era suficiente para que eu estabelecesse esse contato interno inicial. Após essas práticas, já me sentia melhor, mais consciente e presente. No segundo momento, me dediquei a algumas leituras de estudo espírita.

A união entre essas duas práticas espirituais despertou em mim o que há muito eu não sentia: uma confiança em mim mesma e no que está por vir, no que irá chegar a qualquer momento, desde que eu me abra para isso. A minha fé foi fortalecida, pois estudando e me colocando no mundo de forma mais presente e consciente, tive ainda mais certeza de que nada do que vivo é em vão. Tudo tem seu o tempo para acontecer.

Nesse processo, percebi também que era importante me organizar. Coloquei no papel as atividades daquela semana e estabeleci uma rotina diária: todos os dias me sentava e distribuía em uma folha o que fazer naquele dia, e apenas nele, sem me preocupar com o amanhã ou com a próxima semana.

Decidi, também, me afastar das redes sociais, que consumiam grande parte do meu tempo e da minha energia. Afinal, se a proposta era entrar em contato comigo mesma, seria importante eliminar ao máximo as interferências negativas. E posso resumir o meu sentimento em uma palavra: libertação. Senti que estava me desprendendo de algo que me mantinha encarcerada e drenava as minhas energias. Agora, os dias parecem muito mais longos e eu tenho mais tempo para mim e para me dedicar às minhas atividades. Acreditem: perdemos mais tempo do que imaginamos conectados a redes sociais e a realidade “sempre perfeita” que os outros querem mostrar, e nos perdemos cada vez mais de nós mesmos.

Tive vontade, também, de fazer uma limpa no meu guarda-roupas, cômoda e estante. Joguei fora cosméticos fora da validade, embalagens vazias, papéis e inúmeras tralhas que deixei acumular sem nem perceber – isso porque me considero uma pessoa minimalista! – Doei muitas roupas que não usava mais, sem dó. Enfim, desapeguei de objetos materiais que não me faziam falta e estavam apenas estagnando energia, impedindo-a de circular livremente. E a partir daí o processo fluiu ainda melhor.

Ao final dessa semana, me sinto mais renovada, fortalecida e confiante. Confiante em mim, em uma força maior, no que está para chegar e no meu potencial, que é o que irá me impulsionar para ir atras dos meus objetivos. Estou ainda mais firme nos meus propósitos.

Cada instante é precioso demais para desperdiçarmos com coisas banais e sentimentos negativos e autodestrutivos.

Ao fim dessa experiência, gostaria de compartilhar com vocês algumas das conclusões a que cheguei e que foram muito importantes para mim, porque fizeram toda a diferença na minha forma de perceber a vida.

  • Atente-se sempre a você. Comece fazendo isso por alguns minutos e expanda para todo o seu dia.
  • Aceite os momentos difíceis sem se entregar. Aceite verdadeiramente que eles serão importantes para o seu amadurecimento.
  • Dê o primeiro passo. Mesmo que pareça pequeno, ele é o mais importante.
  • Evite a procrastinação.  Não deixe para amanhã o que você pode começar agora. Simplesmente comece.
  • Acredite em você e no seu potencial. Se você ainda não o vê claramente, dê esse tempo a você nesse fim de ano. Se presenteie com o que é permanente e imensamente rico de significado.
  • Siga a sua intuição e o seu coração. Eles sempre sabem o que é melhor para você.
  • Desperte a sua força. Mesmo que escondida, ela está aí, só esperando ser encontrada. Práticas espirituais como a yoga e a meditação ajudam a torná-la mais consciente.
  • Faça planos para o futuro, mas estabeleça metas para hoje. Não deixe para o mês, semana ou ano que vem. Toda hora é hora de (re)começar. Viva no presente e valorize cada instante da sua vida, porque ele é a única coisa que temos efetivamente.
  • Seja você mesmo, com seus defeitos e qualidades, porque você é único e essencial. Parece clichê, mas é muito verdadeiro. Imagine como as coisas funcionariam sem você e se perceba como parte essencial de um todo a sua volta.
  • Viva menos conectado ao virtual e conecte-se mais a você. Evite perder todo o seu tempo em redes sociais se comparando ao que os outros aparentam ser.
  • Tenha fé em você mesmo e em algo maior. Nada e nem mesmo sua vida são obras do acaso.
  • Aceite as mudanças. A vida é constante transformação. Aprenda a seguir o seu fluxo sem resistência, se mantendo sempre firme em seus princípios e objetivos.
  • Julgue menos os outros e a você mesmo. Busque compreender as pessoas em todas as situações e perceba o alívio que essa atitude traz.
  • Organize-se e desapegue dos excessos. Faça disso um hábito. Doe roupas que não usa mais, jogue fora as tralhas que você acumula e não servem para mais nada. Deixe a energia fluir melhor ao seu redor. Isso lhe trará imensa sensação de leveza.
  • Substitua os pensamentos negativos pelos positivos. Exercite a percepção de enxergar sempre o lado positivo de cada situação.
  • Ame-se como você é. Seja você mesmo. Liberte-se do que te prende ao desanimo e a frustração. Deixe aflorar a sua essência e viva com leveza cada instante da sua vida.
Anúncios

4 comentários sobre “A semana do autoconhecimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s