Sobre a morte e outras despedidas

photo-o-que-fazer-em-caso-de-morte-1280x580

Quando pensamos em desapego, isso não está relacionado apenas a coisas e situações, mas também a pessoas… E essa pode ser a parte mais difícil de conseguir alcançar.

Acredito que devemos nos entregar de corpo e alma às relações (todas elas) e o desapego não significa não se importar, mas saber quando é hora de deixar a pessoa partir, seja por uma decisão dela ou porque o Universo quis que ela se juntasse a ele mais profundamente através da morte.

É muito triste ver como algumas pessoas se apegam tanto a ponto de forçar a permanência do outro em suas vidas. Quando alguém está muito doente, por exemplo, e o que mais se pede é que aquela pessoa não morra, a energia se torna tão pesada e densa, que parece até forçar o outro a ficar algumas vezes. Não sei até que ponto isso é possível, mas com certeza um apego desses torna o processo de luto muito mais difícil.

É tão triste ver quem amamos doente, sofrendo… Mas muitas pessoas parecem achar que a morte é mais triste. Eu sinceramente acho isso um tanto egoísta, porque você quer tanto aquela pessoa em sua vida que não importa nem o preço que ela vai pagar pra permanecer.

Enfim, não escrevo isso com a intenção de julgar ninguém nem de dizer como devem se portar diante de situações tão difíceis, mas para fazer pensar. A morte faz parte da vida e precisamos aprender a deixar aqueles que amamos irem, mesmo que isso signifique nosso sofrimento. Afinal, eles sempre ficam dentro de nós, independente de onde estejam.

Namastê!

🙂

Anúncios

Expectativas

early-start

Qual é a expectativa que temos criado em relação às pessoas que convivemos?

Lanço essa pergunta porque a tenho feito para mim mesma ao longo de todo esse ano. Decidi, na virada de 2017, que esse seria o ano em que trabalharia essa expectativa constante que deposito no outro.

Sempre culpei todos por me machucarem, simplesmente por não corresponderem àquilo que eu esperava. Pequenas atitudes, nem sempre intencionalmente ruins, sempre me magoaram demais, e eu tive que aprender a lidar com isso durante a vida para não me magoar tanto.

Muitas vezes ainda me pego decepcionada com as pessoas e culpando-as por fazerem algum mal a mim, mesmo sabendo que esse mal sou eu mesma quem crio quando espero algo diferente delas.

Foi depois de muitas decepções que aprendi que quando esperamos que as pessoas ajam de um jeito conosco, além de estarmos desrespeitando a sua maneira de ser, nós é que sempre vamos nos magoar. Somos todos diferentes: temos percepções e formas diversas de nos colocarmos no mundo. Algo que me deixa triste não causa o mesmo em você, necessariamente.

Foi com essa percepção que consegui finalmente aprender a compreender verdadeiramente as pessoas. Ainda estou aprendendo, porque é um hábito e não se desenvolve de uma hora para a outra.

Temos a tendência de reagir agressivamente sempre que somos magoados por qualquer motivo. Mas, como já disse acima, muitas das vezes a intenção do outro não foi a de causar isso em nós. Ainda assim reagimos intempestivamente, brigamos e acusamos. E se não o fazemos verbalmente, fazemos dentro de nós. Então, que tal começarmos a nos colocar mais no lugar do outro?

Se alguém age de uma forma que você não concorda, se habitue a analisar a situação antes de reagir. Se conscientize do que te magoou e busque primeiramente em você o motivo que pode ter gerado a mágoa. Ao mesmo tempo, tente se colocar no lugar daquele que te ofendeu. Talvez ele esteja vivendo um dia ou momento ruim; então precisamos sempre agir agressivamente só porque nos sentimos ofendidos? Por que não tentamos compreender antes de revidar a ofensa? Não é assim que gostaríamos que agissem conosco quando também estivermos passando por uma fase difícil?

Não criar expectativas é, além de tudo, aceitar o outro nas suas diferenças. E ainda bem que elas existem, porque nos mostram que nem sempre a vida vai corresponder à tudo que esperamos dela. E, assim como das pessoas, sempre vamos nos preservar quando não criamos grandes ilusões, porque nem sempre o que esperamos é o que vamos receber, ainda que nos esforcemos para isso.

É preciso também deixar ir, ainda que tenhamos todas as possibilidades de criar o nosso futuro e as nossas relações da forma como desejamos. E principalmente aceitar que nem sempre o que esperamos é o que vai ocorrer, porque não temos o controle de tudo.

Façamos o que está ao nosso alcance: a nossa parte. E deixemos que a vida se encarregue de trazer o que está guardado para nós.

 

E o caminho profissional, como está?

dicas-escolher-profissao-ideal-noticias

Eu tenho “quase 30”. E você que me lê?

Quando se chega nessa idade, parece existir uma forte pressão pare definir o que vamos fazer da vida. Isso antes era cobrado bem mais cedo, porque as pessoas achavam que fazer faculdade era suficiente para definir as coisas. E embora existam os prodígios que com 20 e poucos já têm um caminho mais ou menos traçado, a verdade é que estamos todos perdidos. Como já escrevi por aqui outras vezes, estamos todos no mesmo barco, tateando em busca de um caminho que nos preencha.

Já tive tantas crises em relação ao meu caminho profissional que não dá nem pra contar. Com certeza cada uma delas me ensinou alguma lição preciosa (como tudo na vida), mas no final das contas a lição mais importante talvez tenha sido a aceitação. Não adianta brigarmos com o presente, não adianta nos revoltarmos, estarmos aqui querendo estar lá. Não vai ser isso que vai mudar nossas vidas. E qualquer mudança que venha a acontecer também não vai ser do dia pra noite. Então precisamos aceitar o presente e acolhê-lo. Vivê-lo com o nosso melhor. E isso vale sim para trabalho. Mesmo aquele que talvez você não goste tanto assim.

Portanto, para mim, a aceitação foi o melhor caminho. Sinto que ainda não encontrei totalmente meu rumo profissional. Tenho muitas ideias e dificuldade de colocá-las em prática (aposto que tem muita gente aí do outro lado se identificando com isso, certo?). Mas aprendi que o momento que estou vivendo é exatamente o que preciso viver e que por mais clichê que possa parecer, o caminho se faz caminhando. É isso que tenho feito. Não me acomodo, mas também não brigo com meu momento profissional atual. Sigo buscando outras coisas e formas de alcançar meu propósito, mas sem odiar o que faço hoje, pelo contrário, aprendi a gostar por várias razões – pelas pessoas, pela oportunidade de me sustentar, pelas portas que podem ser abertas, pela possibilidade de solucionar problemas.

Porém, como essa fase da vida pode ser bem complicadinha, nós mesmos podemos acabar nos cobrando demais uma decisão, um caminho minimamente definitivo e que nos dê satisfação e sustento. Mas a verdade é que isso não parece existir…nem agora e nem nunca. Nada é definitivo e a prova disso é a quantidade de pessoas de todas as idades que mudam de carreira anualmente.

Estamos sempre caminhando. E isso é maravilhoso, porque a vida é maravilhosa! Então continuemos caminhando mesmo, e sem nos cobrar tanto.

Namastê!

🙂

Texto inspirado na postagem da Bruna, do Uma Vida Mais Simples: As coisas por aqui