Inspirações da semana [19]

baca-buku

Oi, gente! Tudo bem?

Vamos às nossas inspirações da semana?

Boa semana para vocês! 🙂

Anúncios

Simplicidade voluntária: minhas experiências

Por diversas vezes me peguei pensando no quanto gostaria de estar vivendo uma vida silenciosa no campo, morando em uma casa pequena e simples, rodeada pela natureza, pelos animais e cercada pelo silêncio.

Muitas vezes associei o conceito de simplicidade a uma vida assim. Mas com o tempo percebi que não é necessário que eu viva nessas condições para que encontre a paz e o equilíbrio interior. Com certeza há muitas pessoas que vivem dessa forma, mas que, interiormente, não levam uma vida simples e consciente, tomadas por estresse, preocupações e pesos desnecessários. O exterior, nesse caso, não auxilia em seu crescimento interior, e o ambiente que as cerca em nada ajuda a se manter em equilíbrio.

Moro no centro de uma cidade não tão grande, com uma média de 500 mil habitantes. É um ótimo lugar para se morar, já que temos algumas oportunidades e opções de lazer que não encontraria em uma cidade pequena.

IMG_2787

Juiz de Fora vista do Mirante do Morro do Cristo

Vira e mexe me pego pensando no quanto gostaria de ter um cantinho para entrar em contato com a natureza, fazer Yoga, meditar, ler… e esses dias percebi que, na verdade, sou muito privilegiada. E tive essa percepção apenas com uma mudança de ponto de vista.

Moro no centro da cidade e sempre vi isso como um problema, apesar de considerar a minha rua uma das mais tranquilas. O movimento de carros e pessoas é contínuo durante a semana, mas do meu quarto consigo ouvir os passarinhos cantarem ao longo de todo o dia na minha janela. Inclusive acordo com o seu canto todos os dias, e enquanto escrevo esse texto eles fazem uma sinfonia por aqui.

Passarinho edit

Eu só preciso escolher para onde voltar o meu foco: para o seu canto que me tranquiliza ou para os carros e movimento das pessoas na rua que me trazem agitação e ansiedade.

Além disso, por morar no centro, tenho várias possibilidades a minha disposição. Estando próxima a vários pontos de ônibus, posso me locomover para qualquer lugar. Isso me proporciona com muita facilidade ir a parques e lugares cercados pela natureza.

É disso que se trata a simplicidade voluntária. Não é necessário que vivamos no campo ou em meio à natureza para que nos sintamos plenos e tranquilos; é possível encontrar formas de ser simples e viver uma vida mais tranquila em meio ao “caos” urbano. O que importa é o quanto você encontra interiormente essa simplicidade e permite que ela transforme a sua vida.

Viver de forma simples e consciente é uma escolha que independe dos fatores exteriores a você. E por muitas vezes nos prendemos a esses conceitos, o que nos desestimula a viver a simplicidade.

Podemos aproveitar pequenas coisas. Em vez de reclamar pelo que não é possível ter neste momento, passemos a apreciar o que está a nossa disposição. Pela janela podemos ver o céu azul, ouvir o canto dos passarinhos e, mesmo que por uma pequena fresta, podemos sentir o sol enquanto respiramos, meditamos ou fazemos uma leitura. Muitas vezes não damos valor aos patrimônios públicos, mas os parques estão a nossa disposição para um passeio ou uma caminhada antes ou depois do expediente de trabalho e/ou durante o final de semana.

Não crie empecilhos. Se precisa de ônibus para se locomover até lá, vá ouvindo uma música que você goste. Ao chegar, leia um livro, respire o ar puro, observe atentamente as inúmeras pequenas belezas ao seu redor, caminhe meditativamente entre as árvores e se permita ser preenchido pela energia revigorante da natureza.

IMG_1831

Parque da Lajinha / Juiz de Fora

Snapseed

Museu Mariano Procópio / Juiz de Fora

Ou aprecie o por do sol em um mirante ou em um ponto alto da cidade…

IMG_1787

Snapseed (1)

Vista do ICH na Universidade Federal de Juiz de Fora

Observe a perfeição do que nos cerca e seja grato por ser parte disso.

Essas últimas fotos foram só alguns exemplos do que vivenciei nessa ultima semana; do que me permiti perceber e apreciar. Mas você pode também descobrir esses recursos, aonde quer que esteja.

Esteja atento e aproveite tudo o que tem à disposição e que, por muitas vezes, passa despercebido. Não se prenda a padrões relacionados ao estilo de vida que você deseja viver. Apenas viva, e você irá perceber que os recursos estão disponíveis a sua volta. Só depende de você percebê-los.

Expectativas

early-start

Qual é a expectativa que temos criado em relação às pessoas que convivemos?

Lanço essa pergunta porque a tenho feito para mim mesma ao longo de todo esse ano. Decidi, na virada de 2017, que esse seria o ano em que trabalharia essa expectativa constante que deposito no outro.

Sempre culpei todos por me machucarem, simplesmente por não corresponderem àquilo que eu esperava. Pequenas atitudes, nem sempre intencionalmente ruins, sempre me magoaram demais, e eu tive que aprender a lidar com isso durante a vida para não me magoar tanto.

Muitas vezes ainda me pego decepcionada com as pessoas e culpando-as por fazerem algum mal a mim, mesmo sabendo que esse mal sou eu mesma quem crio quando espero algo diferente delas.

Foi depois de muitas decepções que aprendi que quando esperamos que as pessoas ajam de um jeito conosco, além de estarmos desrespeitando a sua maneira de ser, nós é que sempre vamos nos magoar. Somos todos diferentes: temos percepções e formas diversas de nos colocarmos no mundo. Algo que me deixa triste não causa o mesmo em você, necessariamente.

Foi com essa percepção que consegui finalmente aprender a compreender verdadeiramente as pessoas. Ainda estou aprendendo, porque é um hábito e não se desenvolve de uma hora para a outra.

Temos a tendência de reagir agressivamente sempre que somos magoados por qualquer motivo. Mas, como já disse acima, muitas das vezes a intenção do outro não foi a de causar isso em nós. Ainda assim reagimos intempestivamente, brigamos e acusamos. E se não o fazemos verbalmente, fazemos dentro de nós. Então, que tal começarmos a nos colocar mais no lugar do outro?

Se alguém age de uma forma que você não concorda, se habitue a analisar a situação antes de reagir. Se conscientize do que te magoou e busque primeiramente em você o motivo que pode ter gerado a mágoa. Ao mesmo tempo, tente se colocar no lugar daquele que te ofendeu. Talvez ele esteja vivendo um dia ou momento ruim; então precisamos sempre agir agressivamente só porque nos sentimos ofendidos? Por que não tentamos compreender antes de revidar a ofensa? Não é assim que gostaríamos que agissem conosco quando também estivermos passando por uma fase difícil?

Não criar expectativas é, além de tudo, aceitar o outro nas suas diferenças. E ainda bem que elas existem, porque nos mostram que nem sempre a vida vai corresponder à tudo que esperamos dela. E, assim como das pessoas, sempre vamos nos preservar quando não criamos grandes ilusões, porque nem sempre o que esperamos é o que vamos receber, ainda que nos esforcemos para isso.

É preciso também deixar ir, ainda que tenhamos todas as possibilidades de criar o nosso futuro e as nossas relações da forma como desejamos. E principalmente aceitar que nem sempre o que esperamos é o que vai ocorrer, porque não temos o controle de tudo.

Façamos o que está ao nosso alcance: a nossa parte. E deixemos que a vida se encarregue de trazer o que está guardado para nós.

 

A escalada

ultrapasse-limites

Quantas vezes adiamos para amanhã o primeiro passo para realizarmos um sonho ou simplesmente cumprirmos com aquilo que planejamos para nós mesmos?

Muitas vezes duvidamos de nossas capacidades e nos esquecemos de que temos em nós todo o potencial para a realização do que desejamos. O medo nos bloqueia e a nossa mente nos faz pensar que somos pequenos demais para grandes realizações.

Mas somos grandes. Somos muito maiores do que supomos. O que nos falta, muitas vezes, é apenas dar o primeiro passo.

Quando sonhamos em conquistar algo e nos sentimos fracos e incapazes, ficamos acomodados em um lugar seguro, que é a nossa zona de conforto. Mas dentro dela não alcançamos nada além do que já temos hoje. E posso afirmar que na maior parte das vezes isso não é o suficiente.

Temos a tendência de olhar ansiosos para o futuro e queremos, como em um passe de mágica, que aquilo que está em nossa mente se realize. Nos esquecemos de que é o nosso esforço e a nossa superação que irão nos fortalecer, e de que a nossa conquista só será realmente valiosa se pudermos olhar para trás e valorizar aquilo que nós mesmos construímos. Dessa forma perceberemos a força imensa que carregamos dentro de nós e que tantas vezes nos esquecemos.

Portanto, se você tem dentro de si algo grandioso que acha impossível de ser realizado, se permita olhar para dentro e reconheça que todo o potencial está aí, somente aguardando para ser utilizado. Quantas vezes você achou que não conseguiria e quando precisou, descobriu uma força que jamais imaginou existir? Essa mesma força ainda está dentro de você, latente, pronta para desabrochar.

Comece a caminhada e mantenha os pés firmes, certo de que para alcançar grandes feitos precisamos partir do primeiro passo de uma grande escalada, onde subiremos, pedra por pedra, até chegarmos ao topo. Muitas vezes essa caminhada será exaustiva e enfrentaremos muitas dificuldades, principalmente conosco mesmos e com os nossos monstros internos. Mas quando alcançarmos o cume dessa grande montanha, lá do alto, olharemos para o solo firme que nos sustentava e perceberemos que ali estávamos seguros, mas não poderíamos apreciar a linda vista que temos à frente. Lá, não poderíamos usufruir do silêncio e da paz que sentimos agora.

Aqui do alto podemos olhar para o horizonte e perceber o quanto temos para alcançar. Um horizonte infinito se abre à nossa frente e nos mostra que a vida vai muito além da pequena realidade criada por nós mesmos.

Lá do alto reconheceremos verdadeiramente a nossa infinita potencialidade. E perceberemos que somos capazes de realizar o que quisermos e que podemos, sempre, ir muito além do que um dia imaginamos.

 

Inspirações da semana [16]

-downloadfiles-wallpapers-3840_2160-love_heart_tree_fields_13391

Oi, gente! Tudo bem com vocês?

Vamos às nossas inspirações da semana?

Boa semana! 🙂

Julgamentos

teste-comportamento-1415302820876_956x500

Acredito que um dos piores hábitos que adquirimos com o tempo foi o do julgamento.

Nunca estamos satisfeitos com o que nos acontece. Seja com as nossas ou com as atitudes das pessoas ao nosso redor, seja com o que a vida nos oferta; não importa: sempre encontramos motivos para julgar, sem percebermos que, dessa forma, não conseguimos realmente tirar real proveito das situações.

Lembre-se de alguma situação ruim que aconteceu com você nos últimos dias. Algo que te trouxe raiva, te chateou ou causou qualquer outro desconforto. Automaticamente, surge um sentimento incômodo e a sua mente já começa a trabalhar, julgando e acusando pessoas e situações.

Muitas vezes acreditamos que não temos controle sobre o que pensamos ou sentimos, principalmente em situações em que nos sentimos prejudicados de alguma forma. Acreditamos ainda que temos o direito de julgar e determinar culpados e inocentes (e geralmente acreditamos que somos esses últimos).

Agora, diante dessa mesma situação, perceba-se como um observador distante. Tente se retirar do seu papel de agente atuante e compreender o que ocorreu de forma imparcial, como se observasse esse momento acontecer com qualquer outra pessoa. Provavelmente alguma coisa mudou dentro de você.

Estamos a todo momento julgando o que nos acontece. Nos julgamos errados e nos menosprezamos; nos julgamos certos e menosprezamos alguém; julgamos merecer e nos entregamos a um sofrimento ou uma dor que chega. E isso nos coloca de formas diferentes diante da vida.

Sempre que alguma situação te trouxer sofrimento, tente se perceber como esse observador distante. Em vez de reagir ao que acontece, podemos escolher agir de forma consciente. Em vez de nos colocarmos como vítimas da vida, podemos optar por enxergar por novos ângulos.

Se alguém te magoou sem razão aparente, não reaja acusando-o. Às vezes deixamos que um pequeno aborrecimento tire a nossa paz e prejudique todo o nosso dia. Em vez de julgar, por que não tentar compreender?

Se algo não saiu como você esperava, por que não tentar aproveitar e agradecer até aquilo que te traz sofrimento? Se toda dor vem para nos auxiliar a crescer, podemos sempre buscar pelo menos uma razão para que ela exista em nós.

Julgue-se menos e compreenda-se mais. Se você agiu de alguma forma que não gostaria, o que pode fazer para mudar essa situação em vez de se culpar e carregar por tanto tempo o peso do arrependimento?

Quando nos retiramos emocionalmente de uma situação por alguns instantes, podemos percebê-la com novos olhares e somos capazes de lidar melhor com tudo o que nos acontece. Agindo de forma consciente, podemos escolher como trilhar o nosso caminho. E é isso que nos permite, efetivamente, crescer.

Escolha ser feliz!

blog_natureza-parque

Quem é você diante da vida? Sujeito ativo ou apenas espectador que observa os movimentos, sem ser capaz de efetivamente aprender as suas lições e se transformar?

Se olharmos para trás, veremos que estamos aqui por um grande número de acontecimentos que se seguiram ao longo do tempo.

Observe o seu passado. Como um observador distante, olhe para a sua infância, depois para a sua adolescência e, se for o caso, para a sua vida adulta. Tente se lembrar de algumas fases que você viveu, boas e ruins.

Atente-se, nesse momento, às fases ruins. Lembre-se de como você se sentiu enquanto vivenciava um momento difícil em qualquer âmbito da sua vida. Provavelmente você acreditava que a dor nunca iria passar e que ela não cederia lugar a alegria de viver novamente. E possivelmente isso aconteceu inúmeras vezes e você foi capaz de superá-las.

Agora, lembre-se de alguns momentos felizes. Das suas conquistas, dos momentos bons em que você esteve ao lado das pessoas que ama, dos dias em que acordou disposto sem nenhum motivo aparente e se deixou levar por esse sentimento ao longo de todo o seu dia…

Agora, olhe para você. Perceba-se no aqui e no agora. Quem é você hoje? Qual é o caminho que te trouxe até aqui?

Olhando para o seu passado, perceba como tudo aconteceu para que você se tornasse quem é hoje. Percebe como, apesar de todas as reviravoltas e transformações, tudo seguiu uma direção certa?

Aqueles momentos difíceis que pareciam não acabar, passaram. Dificuldades foram superadas e te fortaleceram. Você amadureceu. O caminho que parecia não ser o certo foi o que te trouxe até aqui, onde você está agora, permitindo ser exatamente quem você é.

mulher-feliz-que-aprecia-a-natureza_1098-1635

Por muitas vezes, enquanto vivemos momentos difíceis, nos esquecemos de toda a nossa jornada. Nos esquecemos do quanto as tristezas e decepções nos fortaleceram e mudaram a nossa percepção sobre a vida. Nos esquecemos de que até mesmo as alegrias passam, abrindo espaço para que novos sentimentos cheguem e nos transformem no melhor que podemos ser a cada momento.

Não somos os mesmos que éramos há um mês ou uma semana atrás, porque estamos constantemente nos construindo, e esse é um processo que irá continuar até o fim da vida. Os acontecimentos seguem um fluxo que por tantas vezes julgamos errado, e nos sentimos perdidos e sem direção. Tudo parece estar contribuindo para o nosso fracasso.

Sempre que se sentir triste ou perdido, repita esse exercício. Perceba o fluxo da vida. Perceba que você só chegou até aqui porque vivenciou os dois sentimentos: a alegria e a tristeza.

O olhar positivo torna a vida mais leve de ser vivida. Nos auxilia a enxergar que os momentos ruins são necessários para o nosso crescimento, até mais do que os bons. E que se nos entregarmos verdadeiramente a esse fluxo, nos permitindo sofrer e sorrir quando necessário, estaremos sempre nos fortalecendo e caminhando na direção do nosso aprimoramento.

Observe os acontecimentos do passado e do presente com um novo olhar e perceba que tudo depende da nossa forma de encarar o que nos ocorre. A escolha é sempre nossa.