Sobre a morte e outras despedidas

photo-o-que-fazer-em-caso-de-morte-1280x580

Quando pensamos em desapego, isso não está relacionado apenas a coisas e situações, mas também a pessoas… E essa pode ser a parte mais difícil de conseguir alcançar.

Acredito que devemos nos entregar de corpo e alma às relações (todas elas) e o desapego não significa não se importar, mas saber quando é hora de deixar a pessoa partir, seja por uma decisão dela ou porque o Universo quis que ela se juntasse a ele mais profundamente através da morte.

É muito triste ver como algumas pessoas se apegam tanto a ponto de forçar a permanência do outro em suas vidas. Quando alguém está muito doente, por exemplo, e o que mais se pede é que aquela pessoa não morra, a energia se torna tão pesada e densa, que parece até forçar o outro a ficar algumas vezes. Não sei até que ponto isso é possível, mas com certeza um apego desses torna o processo de luto muito mais difícil.

É tão triste ver quem amamos doente, sofrendo… Mas muitas pessoas parecem achar que a morte é mais triste. Eu sinceramente acho isso um tanto egoísta, porque você quer tanto aquela pessoa em sua vida que não importa nem o preço que ela vai pagar pra permanecer.

Enfim, não escrevo isso com a intenção de julgar ninguém nem de dizer como devem se portar diante de situações tão difíceis, mas para fazer pensar. A morte faz parte da vida e precisamos aprender a deixar aqueles que amamos irem, mesmo que isso signifique nosso sofrimento. Afinal, eles sempre ficam dentro de nós, independente de onde estejam.

Namastê!

🙂

A gente nunca chega a conhecer uma pessoa

pessoas1-1

É isso mesmo: não conhecemos ninguém. E isso acontece, penso eu, por dois motivos principais.

Em primeiro lugar, estamos sempre (ou quase sempre) julgando as pessoas, seja positiva ou negativamente. Achamos que as conhecemos pelo que dizem ou fazem, acreditamos que seus comportamentos serão sempre os mesmos e que porque convivemos por X anos, já sabemos tudo que há para saber sobre o outro sem nos permitirmos nos surpreender.

Em segundo lugar, raramente nos damos conta (de verdade) que o ser humano está em constante construção e reconstrução de si mesmo. Estamos sempre mudando! Por vezes nos damos conta disso em nós mesmos, mas poucos são aqueles que dão o “direito” ao outro de mudar também.

Além disso, outro fator que agrava ainda mais nossa (falsa) percepção em relação ao outro é que por mais que se fale por aí em autoconhecimento, e que isso esteja até “na moda”, pouquíssimos são os corajosos que se permitem essa viagem… Que se permitem mergulhar dentro de si mesmos e começarem a separar o que é seu e o que é do outro.

Digo isso justamente por conta das projeções que estamos sempre fazendo. Não nos permitimos enxergar o outro porque apenas vemos nele aquilo que existe em nós. Por isso é tão relevante e urgente esse tal autoconhecimento: precisamos dele pra não projetarmos no outro tudo de ruim e difícil que há em nós.

Por isso é importante refletirmos sempre e não nos esquecermos que assim como nós, o outro também está em constante modificação de si mesmo. É preciso sempre respeitar o mundo do outro e é ótimo estarmos abertos a nos surpreender.

Namastê!

🙂